top of page

A grande causa da Obesidade e Tratamentos Naturais

Relações entre obesidade, gordura visceral e inflamação.

A gordura visceral é a gordura que se acumula no abdômen e que envolve os órgãos internos, incluindo: fígado, rins e pâncreas. Mas, o excesso de gordura visceral é um problema sério!

A grande causa da Obesidade e Tratamentos Naturais é ligada a inflamação crônica e resistência à insulina principalmente, gerando aumento do risco de: doenças cardíacas, câncer, demência, ou Alzheimer, predominância de estrogênio, desajustes de humor entre outros. Portanto, isso tudo é preocupante, pois também tende a se acumular e criar ciclos negativos. Vamos ver aqui como enfrentar essa situação que se relaciona com demais questões!


https://www.criesaude.com”alt=”- "A grande causa da Obesidade e Tratamentos Naturais" ARTE

A grande causa da Obesidade e Tratamentos Naturais é a gordura visceral, que pode aumentar o risco de uma série de problemas de saúde, incluindo:  

  • Aumento da Obesidade  

  • Doença coronariana  

  • AVC  

  • Diabetes  

  • Câncer  

  • Demência, ou Alzheimer

  • Artrites  

  • Distúrbios do sono  

  • Disfunção sexual  

  • Depressão  

  • Alterações hormonais em geral


Certos fatores podem torná-lo mais suscetível ao armazenamento de gordura visceral e ao ganho de peso:

Quando se trata de peso, apetite e humor saudáveis, os níveis de glicose, ou açúcar no sangue são críticos. Seus níveis de glicose circulantes são controlados por um hormônio chamado insulina, que ajuda a diminuir os níveis de açúcar no sangue após uma refeição. No entanto, a insulina tem relação com o metabolismo de gordura do seu corpo, incluindo a gordura visceral, resultando no armazenamento de mais gordura, pela ação da mesma.


Alimentos como pão branco, macarrão branco, arroz branco, bolos ou doces, fast foods como Mc Donalds, I food etc. São considerados alimentos com alto teor de açúcar, ou carbs (carboidratos) e baixo teor de nutrientes e são rapidamente convertidos em açúcares simples. Eles entram na corrente sanguínea e imediatamente e causam uma rápida liberação de insulina. Isto pode não só levar ao excesso de gordura visceral e ao ganho de peso, mas também pode alimentar o ciclo vicioso da fome, da alimentação excessiva, do desejo por doces e da incapacidade de resistir aos carbs . Este é um ciclo negativo! Porque, por outro lado, surgem problemas com a adrenal, como cortisol anormalmente alto e outros desequilíbrios hormonais que levam à baixa energia, flutuações de humor, desejos, vontade de comer, ganho de peso, inflamação em geral e um risco aumentado de doenças crônicas em geral.


A grande causa da Obesidade e Tratamentos Naturais:

Por outro lado, quando praticamos o jejum ocorre a lipólise, que é a quebra de gorduras e lipídios para liberar ácidos graxos e eles são metabolizados. A homeopatia ajuda muito na adaptação à menor ingesta alimentar e ao jejum.

Mas, insistindo em comer carbs, a insulina não terá outra escolha senão continuar a alimentar à força as células adiposas com gordura, libertando ácidos gordos livres através da lipólise. Isso aumenta a probabilidade dessas gorduras serem armazenadas em outro lugar, o que aumenta o risco de obesidade e demais problemas de saúde. Essas células de gordura hipertróficas também são muito grandes e não recebem espaço e suporte suficientes do corpo. Como resultado, além da liberação de ácidos graxos, as células adiposas hipertróficas também acabam liberando citocinas pró-inflamatórias no corpo para desencadear o crescimento vascular, o que também aumenta o risco de câncer. As células de gordura hipertróficas também desencadeiam e aumentam a resistência à insulina. 


Obesidade, Inflamação e ceramidas

Ceramidas são moléculas lipídicas cerosas, elas não apenas suportam elementos estruturais na membrana celular, mas também desempenham um papel importante em várias sinalizações celulares, incluindo morte celular programada, diferenciação celular, ciclo celular e senescência. Estudos apontam que um excesso de ceramidas pode aumentar a inflamação e disfunção do tecido adiposo e aumentar o risco de síndrome metabólica e doença cardiometabólica, juntamente com incremento à resistência à insulina. 

Resistência à insulina significa que o seu corpo não consegue responder bem à insulina e não consegue processar a glicose no sangue adequadamente, o que leva ao aumento dos níveis de glicose no sangue e aumenta o risco de pré-diabetes e diabetes tipo 2.  A pesquisa mostra que a resistência à insulina pode desempenhar um papel subjacente crítico no acúmulo de gordura nos adipócitos e no tecido não adiposo, o que aumenta a inflamação crônica e consequentemente liberação de citocinas inflamatórias que agravam a resistência à insulina, diabetes, hipertensão, aterosclerose e doenças cardiovasculares entre outros.


Avaliação laboratorial:

Verificar se há inflamação, açúcar no sangue e lipídios em determinados laboratórios é importante para determinar seus riscos, especialmente se a proporção de gordura visceral for alta. Eu recomendo fazer uma análise de sangue abrangendo:

  • Açúcar no sangue: recomendo observar seus níveis de glicose acumulada no sangue:  HbA1C, também conhecido como hemoglobina glicada: O número ideal está entre 4 e 5,6 por cento. Entre 5,7 e 6,4 significa que você tem pré diabetes e acima de 6,4 significa que você tem diabetes.  

  • Glicose em jejum: Menor de 100 mg/dL (5,6 mmol/L) é normal. 100 a 125 mg/dL (5,6 a 6,9 mmol/L) é considerado pré-diabetes. 126 mg/dL (7 mmol/L) ou superior em dois testes separados significa que você tem diabetes.  

  • Insulina em jejum: Os níveis normais de insulina em jejum estão entre 75–95 mg/dL (4,2–5,3 mmol/L). Acima de 95 mg/dL (5,3 mmol/L) mostra resistência à insulina e acima de 110 mg/dL (>6,1 mmol/L) mostra resistência grave à insulina.

  • Marcadores Inflamatórios:

  •  HsCRP: O número ideal é menor que 1.  

  • LDH (lactose desidrogenase): A faixa ideal é de 140 a 180. Níveis elevados indicam inflamação crônica.  

  • Ferritina sérica: A faixa ideal é inferior a 150. Níveis elevados indicam inflamação.

  • Homocisteína: A faixa ideal é de 6 a 9.

  • Lipídios:

  •  Colesterol VLDL: A faixa ideal é de 5 a 30 mg/dl.  

  • Colesterol HDL: A faixa ideal é de 55 a 80. Níveis acima de 100 podem indicar inflamação crônica ou infecção ativa no corpo.  

  • Triglicerídeos: A faixa ideal é de 40 a 80. Ter uma proporção equilibrada de LDL para HDL e triglicerídeos para HDL é essencial para sua saúde. Idealmente, procuramos uma relação LDL/HDL: 3:1 ou menos, sendo 2:1 o ideal. Para triglicerídeos, procuramos uma proporção de HDL: 2:1 ou menor, sendo 1:1 o ideal. Níveis mais elevados de triglicerídeos e níveis mais baixos de HDL são normalmente uma indicação de resistência à insulina e níveis elevados de insulina em jejum. 


Domínio do estrogênio e outras alterações hormonais:

A gordura visceral é um dos principais fatores de risco para a dominância do estrogênio e a dominância do estrogênio pode alimentar ainda mais o problema da gordura visceral da barriga. O estrogênio e a progesterona são os dois principais hormônios sexuais femininos que, além da reprodução e da gravidez nas mulheres, também são responsáveis ​​pelo metabolismo, pela saúde da tireoide, pela saúde hormonal, pelos níveis de colesterol, pela saúde do cérebro, pelo humor, pela saúde óssea e pela saúde da pele. Em um corpo saudável, o estrogênio e a progesterona trabalham juntos em um bom equilíbrio. No entanto, quando seu corpo começa a produzir muito estrogênio e/ou seus níveis de progesterona caem muito, seus níveis de estrogênio e progesterona ficam desequilibrados e você desenvolve dominância de estrogênio.

A dominância de estrogênio é um problema comum na mulher, que pode levar a:

  • sintomas pré-menstruais (TPM),

  • endometriose,

  • infertilidade,

  • ondas de calor,

  • cólicas menstruais,

  • diminuição da libido,

  • seios fibrocísticos,

  • miomas uterinos,

  • cistos ovarianos,

  • ganho de peso,

  • fadiga,

  • dores de cabeça,

  • depressão,

  • desequilíbrios de humor, 

  • névoa, ou obnubilação mental,

  • problemas de tireóide e

  • câncer. 

  • A dominância do estrogênio também pode afetar os homens e causar fadiga, insônia, confusão mental, ganho de peso, irritabilidade, alterações de humor, depressão, ansiedade, taquilalia, deficit de atenção e baixa libido.


Por outro lado, andrógenos são hormônios sexuais masculinos que podem ser encontrados e afetar homens e mulheres. Aromatase é uma enzima do corpo que converte andrógenos em estrogênios. O problema é que a gordura visceral aumenta a aromatase no corpo, o que pode levar ao domínio do estrogênio e a uma longa lista de sérios problemas de saúde. Estudos relacionam o excesso de gordura visceral e aumento no tecido adiposo a um aumento na aromatase. Como a aromatase converte a testosterona em um dos hormônios estrogênicos, o estradiol, isso leva a uma diminuição nos níveis de testosterona. Muito estrogênio e pouco estrogênio favorecem o desenvolvimento de gordura visceral e aumentam o índice de gordura corporal total. Também pode causar resistência hormonal à insulina e à leptina. O excesso de leptina impede que seu corpo lute contra o ganho de peso, mas, em vez disso, alimenta o problema da obesidade visceral e da resistência à insulina. 


Risco aumentado ao câncer:

Estudos apontam relações entre gordura visceral, obesidade, resistência à insulina e câncer. Eles descobriram que a obesidade leva a alterações sistêmicas no corpo, incluindo inflamação crônica, alterações nas adipocinas e esteroides sexuais, aumento na insulina e no fator de crescimento semelhante à insulina. Essas alterações sistêmicas afetam a tumorigênese e aumentam o risco de câncer, para todos os tipos, mas principalmente: Ca de mama, de próstata, de intestino, de pâncreas, entre outros.


Transtornos de Humor

O excesso de gordura visceral também pode aumentar o risco de transtornos de humor, incluindo depressão e ansiedade. Estudos apontam uma ligação entre obesidade e depressão. Eles descobriram que o seu humor é muito afetado pela sua dieta. Uma dieta inadequada e alimentação excessiva aumentam o risco de obesidade, o que pode afetar negativamente o seu humor. O mau humor e o estresse podem aumentar a alimentação excessiva e o desejo por alimentos açucarados e não saudáveis ​​que podem alimentar esse ciclo. Um aumento na gordura visceral pode afetar o cérebro e prejudicar a sinalização da insulina e da leptina. Pode ser surpreendente, mas a leptina e a insulina desempenham um papel nas emoções e no humor e um desequilíbrio pode aumentar a depressão e a ansiedade. A gordura visceral e a obesidade aumentam o risco de problemas metabólicos, sinalização metabólica deficiente e inflamação crônica, o que também afetam negativamente a saúde mental.


Aumento do risco de demência

O excesso de gordura visceral e a obesidade também podem aumentar o risco de Alzheimer e demência, de acordo com inúmeros estudos.


Quando as causas exatas das doenças acabam não sendo totalmente conhecidas:

sabemos que além do aumento da Permeabilidade Intestinal, que acaba promovendo o deslocamento de bactérias dos intestinos à circulação, sem falar da importância da destoxificação

E ainda podemos incluir relações com:o Sono, a Alimentação, a Atividade Física, o Terreno Biológico do qual o Fator pH é uma das variáveis, acúmulo de metais tóxicos, o Eixo e a forma de se praticar a Sexualidade. Outros fatores também podem agravar incluindo drogas, irritantes químicos, e intoxicantes ambientais como campos eletromagnéticos. Todos esses fatores serão checados em consulta.


Referências:



Comments


bottom of page