top of page

Ansiedade e formas naturais de tratamento

Ansiedade tem formas naturais de tratamento , pois relaciona-se diretamente com a forma de percebermos a vida e a gerirmos.

Para tanto devemos nos atentar aos processos primários de balanceamento no nosso organismo:

Temos 2 vias dominantes:

  • Simpática

  • Parassimpática

  • O certo é obtermos o equilíbrio de ambas, daí a importância de mais esta postagem

https://www.criesaude.com”alt=”- "Ansiedade e formas naturais de tratamento" ARTE

As células cerebrais recebem fluxo constante de moléculas de sinalização excitatórias e inibitórias. Indivíduos com ansiedade apresentam um equilíbrio mal controlado que favorece a excitação excessiva em certas regiões do cérebro. Aqui estão as principais regiões e mecanismos cerebrais que podem favorecer o desenvolvimento da ansiedade.


Resultam-se reações que são também decorrentes da forma de gerirmos o estresse. pois:

  • A hipófise hiperativada envia um sinal às adrenais através de um neuro-hormônio chamado hormônio corticotropina adrenal (ACTH). Isso diz às glândulas adrenais para aumentar a produção e liberação de hormônios e NTs do estresse, como cortisol, epinefrina (adrenalina) e norepinefrina, entre outros.

  • Por outro lado no cérebro, os gânglios da base fornecem padrões de movimento corretos para acompanhar nossos sentimentos emocionais e a percepção do ambiente. Quando temos níveis elevados de hormônios do estresse ou inflamação nessa região, os gânglios da base ficam tensos e causam ansiedade crônica e prejudicam a forma de execução dos movimentos, com aumento da permeabilidade da Barreira Hematoencefálica.

  • Até o Sistema Límbico esta envolvido: Isso inclui a amígdala, o hipotálamo e o hipocampo. É o cérebro emocional, pois armazena nossas respostas emocionais ao ambiente que percebemos. Quando estas partes do cérebro ficam frias, normalmente fluímos com positividade. Mas, quando esta área está desequilibrada devido à alta ou baixa produção de hormônios do estresse, ela pode esquentar e criar uma espiral negativa, que podem levar a pensamentos e comportamentos depressivos...


  • E quando o corpo sofre de estresse crônico, pode causar calor no giro cingulado anterior e resultar em comportamento preocupante e até obsessivo compulsivo. As estratégias nesta situação visam normalizar os níveis de serotonina e resfriar o cingulado anterior.

  • Todos eles resultam em baixo equilíbrio de açúcar no sangue e ansiedade: Uma das descobertas mais comuns em indivíduos que sofrem de ansiedade é o mau equilíbrio de açúcar no sangue: quando ingerimos uma dieta rica em carboidratos, o açúcar no sangue aumenta naturalmente, o que causa a liberação do hormônio insulina. Indivíduos com ansiedade tendem a secretar insulina em excesso, causando hipoglicemia reativa. Baixo nível de açúcar no sangue ou hipoglicemia coloca mais estresse nas glândulas adrenais, que produzem ainda mais o hormônio do estresse cortisol para manter o açúcar no sangue estável, resultando num ciclo vicioso.

  • Mas, o cérebro por estar em modo de sobrevivência, reage a estímulos aparentemente pequenos… tal como alguém que tem ansiedade e pode sentir-se sobrecarregado por aquilo que os outros considerariam ser fatores de stress menores na vida.

  • Com o tempo, o Baixo cortisol leva a surtos de adrenalina: se o indivíduo continuar a consumir uma dieta rica em carboidratos e ficar exposto a outros estressores, pode fadigar as glândulas adrenais e não ser capaz de produzir cortisol suficiente para manter os níveis de açúcar no sangue. O corpo começará então a usar quantidades maiores de adrenalina (epinefrina e norepinefrina) para manter o açúcar no sangue. Esses hormônios do estresse são muito mais potentes e podem causar um rápido aumento na frequência cardíaca e no ritmo respiratório que leva a ataques de pânico. Além disso, uma resposta desequilibrada ao estresse esgota nutrientes vitais, como magnésio, potássio, vitaminas B e zinco. Isto apenas descoordena ainda mais a resposta ao stress, criando um ciclo negativo devastador. Equilibrar o açúcar no sangue e fornecer suporte adrenal deve ser o PRIMEIRO passo em qualquer tipo de plano de estilo de vida para um indivíduo com ansiedade e ataques de pânico, pois a microbiota também participa nesse processo.



Ansiedade e formas naturais de tratamento:

  1. Mantenha-se equilibrado com aporte líquido bom, para estar hidratada(o) e reduzir a inflamação.

  2. Prefira uma dieta menos inflamante, isto é, com menos proteínas animais pesadas e prefira peixes capturados na natureza, que são boas fontes de proteínas, gorduras essenciais e zinco.

  3. Pratique meditação

  4. Pratique a visualização positiva

  5. Pratique a Respiração profunda: Uma das melhores práticas para reduzir o estresse, a preocupação e o medo é respirar longa e profundamente.

  6. Evite cafeína e açúcar

  7. Aterre seu corpo

  8. Cure seu intestino: Existe uma conexão fundamental entre o cérebro e o intestino que incide nessas situações. O cérebro desempenha um papel importante na modulação da motilidade do intestino através do nervo vago. O intestino abriga trilhões de bactérias que metabolizam nutrientes e ajudam a formar neurotransmissores.

  9. Elimine sensibilidades alimentares: Sensibilidades alimentares são alimentos que seu corpo não tolera bem e também apresentam reatividade imunológica. Nestes casos, o corpo cria uma tempestade inflamatória quando você consome a partícula do alimento. Isso danificará o revestimento intestinal e inflamará o cérebro. Você pode identificar as principais sensibilidades alimentares por meio de um teste de laboratório ou de bioressonância, em consulta.

  10. Sorria mais

  11. Mantenha gratitude

  12. Tome mais sol

  13. Vejamos como andam os níveis de: Magnésio, zinco, selênio, vit. B entre outros.


Quando as causas exatas das doenças acabam não sendo totalmente conhecidas:

sabemos que além do aumento da Permeabilidade Intestinal, que acaba promovendo o deslocamento de bactérias dos intestinos à circulação, sem falar da importância da destoxificação

E ainda podemos incluir relações com:o Sono, a Alimentação, a Atividade Física, o Terreno Biológico do qual o Fator pH é uma das variáveis, acúmulo de metais tóxicos, o Eixo e a forma de se praticar a Sexualidade. Outros fatores também podem agravar incluindo drogas, irritantes químicos, e intoxicantes ambientais como campos eletromagnéticos. Todos esses fatores serão checados em consulta.


Referências:

Acessados em 2-07-2024às 10:00hs.

Comments


bottom of page